quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

35



"Quem quer fica, mesmo sendo incerto o amanhã. Quem ama luta, até o último folgo ou suspiro. Quem ama tem sempre um tempo, um lugar ou um simples ato, demonstrador de permanência. De vontade. Não há amor que viva de depois. De acertos adiados. Amar é agora. É imediato. Quem ama não julga, não ameaça fugir pela forma de ser do outro. Pois quem ama se molda, se cresce, se encolhe. Tudo para ter medida certa de encaixe. Amar é acertar. É arriscar. É andar a olho cego. Como se fosse tudo e, ao mesmo tempo, nada mais fosse nada. Amar é erro e, mesmo sendo, amor é amar mesmo assim. Com tudo errado." 

- Algo estranho, alguém diferente.

sábado, 5 de abril de 2014

34 ♥



Se me perguntares o que gosto em ti, eu não sei o que responder. Posso até arriscar dizer alguma coisa, elogiando o teu sorriso ou dizendo o quanto eu gosto dessa tua maneira de ser implicante. Mas ainda seria pouco. É pouco. Eu posso continuar a arriscar, dizendo que foram as tuas mensagens de boa noite. Ou que foram as demonstrações de carinho e cuidado que tu me deste, mesmo quando eu fui egoísta ao ponto de nem reparar. Posso também dizer que foram as noites que passámos a conversar, umas vezes sobre coisas importantes, outras nem tanto. Posso dizer que foram os teus elogios. Posso dizer ainda que foi a tua atenção e paciência. Mas nada disso seria suficiente, saberia sempre a pouco. Sabes... Nada disto é suficiente. Tenho um emaranhado de coisas para te dizer alojado na minha garganta mas não sei se terias paciência para desembaraçar os fios frágeis das perturbações da minha consciência.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

33 ♥



(...) Afinal, nada é impossível. Aquilo que nós dizemos ser impossível, é apenas mais difícil que o habitual. És tu quem me tem aturado todos os dias até eu adormecer. És tu quem me tem reconfortado com as palavras que podem não ser as mais queridas, mas são sempre as que eu preciso de ouvir. Tens sido incansável. Preocupas-te comigo de uma forma inexplicável e é isso que te tem tornado tão especial. Porque tens conseguido fazer aquilo que poucas pessoas conseguem: ganhar a minha confiança. Muito sinceramente tento arranjar palavras para tentar descrever isto tudo mas de facto não estou a conseguir. Agradeço-te tanto, mas tanto por teres aparecido na minha vida. Fazes-me bem.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

32 ♥


Há algo em ti que mexe comigo. Não sei o que é, não sei o que é que em ti me prende tanto assim, mas é algo que só tu tens e é isso que te diferencia das outras pessoas. Nunca consegui ver isto em ninguém. É algo que me vai levando para um caminho destinado a ti, só a ti. Isso chega a assustar-me de alguma maneira, mas os teus 'efeitos' tiram-me esse medo. Não sei como e também não sei o porquê, mas de alguma forma entraste na minha vida e não foi um acaso do destino. Foi algo mais forte que isso, era para acontecer. Era para teres entrado na minha vida. Tens algo viciante, é como se fosse uma droga. E essa droga faz-me ser a pessoa mais egoísta do mundo quando o assunto é relacionado contigo. Viste o que fizeste comigo? Estou completamente dependente de ti. Dos teus carinhos, das tuas palavras. Necessito das tuas palavras, só para o meu dia se tornar melhor. Vicio-me em cada gesto teu para comigo. É como se soubesses o que eu quero e o que preciso naquele momento. Mas como toda a droga, tu também tens os teus efeitos contrários. Deixas-me triste às vezes e mesmo se saberes, magoas-me. Eu odeio sentir ciúmes de tudo o que vem de ti. Pode ser criancice, mas eu morro de ciúmes. E eu sinto tantos ciúmes assim, porque é como se alguém me estivesse a ameaçar de te tirar da minha vida, embora não sejas meu. Essa sensação é horrível, é algo que eu não consigo controlar. Tudo o que vem de ti, faz-me ficar melhor. O destino trouxe-te até mim, de uma forma tão inesperada, não imaginava que se tornaria assim, tão importante. Mas os dias foram passando e esse teu efeito sobre mim foi crescendo e agora eu não consigo livrar-me deste vício, sinceramente, não quero livrar-me dele. Droga, é isso o que eu te deveria chamar, não é? Vicio-me em ti a cada minuto, a cada segundo, todos os dias eu quero mais uma 'dose' de ti, mais um pouco desse teu jeito, do teu sorriso que me derrete completamente, das tuas palavras. E são essas tuas palavras que me fazem bem. E este sentimento só cresce, chega a dar um certo medo. É um medo de te ver ir embora, sabes? Este medo aqui dentro de mim é não ver-te mais na minha vida. És uma droga. Fazes-me viciar todos os dias, cada vez mais. Mas não posso negar que os efeitos desta droga, são os melhores do mundo. 

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

31 ♥


Será que é normal eu não conseguir parar de pensar em ti? É normal em cada música que eu oiço, haver algo que me lembra de ti? É normal em cada palavra que eu leio, haver uma recordação tua? É normal eu sorrir cada vez que a tua imagem me vem à cabeça? É normal esta vontade de te abraçar com a maior força do mundo? É normal a forma tão repentina com que eu estou a ficar presa a ti? É normal a forma como todas as dúvidas e inseguranças estão de mãos dadas com todas as certezas e realidades? É normal este medo gigante e assustador de te perder? Em tudo o que falo, sinto ou penso, há vestígios teus. És tu que me fazes acordar em cada manhã com a determinação de que a vida não corre em vão. Mas ainda é tudo tão recente, tão novo, tão frágil. É disso que tenho medo, que o tempo venha a destruir tudo aquilo que temos criado. Mas destruir como? Aliás, destruir o quê? Os medos fazem parte e é por isso que estás a meu lado, para mos acalmar. Será isso? Será essa a resposta que tenho procurado? A forma perfeita como tu completas as minhas falhas, como preenches cada espaço que eu deixo em branco, como tu me fazes crescer? É essa a maior e mais completa definição de cumplicidade. É isso? Será isso? A verdade é que tenho receio que tudo isto não passe de uma ilusão e o tempo me venha a mostrar isso mesmo, mas não há como saber e, repito, que só quero ser a estabilidade de que sinto que tu tanto precisas.